Modelação Geográfica, Cidades e Ordenamento do Território

Grupo integrado no e-GEO – Centro de Estudos de Geografia e Planeamento Regional


Leave a comment

Processamento paralelo (“Parallel Processing”) com R

parallel

“O meu laptop tem um ‘quad-core’!”, diz o Jaime.
“E o que é que isso contribui para a tua felicidade?”, pergunta o Bento.

Bom, na realidade, para quem trabalha com R pouco ou nada. No entanto, esta é uma realidade que está a mudar rapidamente, em particular para quem gosta de brincar com simulações de Monte Carlo. E a verdade é que as alternativas são muito caras.

Artigo extremamente interessante sobre o assunto: http://www.r-bloggers.com/parallel-processing-when-does-it-worth/

Advertisements


1 Comment

A constante de Marchetti

A constante de Marchetti diz-nos que o tempo médio gasto em viagens por dia/pessoa é de 1 hora…e que sempre assim foi, resultado dos traveling instincts, identificados por Zahavi (fim da década de 70, inícios da 80), trabalho no qual Marchetti se baseia.

O território de uma cidade (propositadamente não escrevo “área”, e se lerem o artigo percebem porquê) é, então,  definido por esta constante.  A expansão deste território é dependente dos avanços tecnológicos nos transportes, i.e., quando estes avanços permitem que com um mesmo tempo se alcancem maiores distâncias. Uma cidade torna-se disfuncional quando a constante é ultrapassada.

O artigo merece ser lido, criticado e experimentado! Arrisco mesmo a dizer que seria um excelente exercício para uma aula de mestrado ou doutoramento.

Artigo original: Cesare Marchetti (1994) “Antropological Invariantes in Travel Behavior”

http://www.cesaremarchetti.org/archive/electronic/basic_instincts.pdf


Leave a comment

Jornadas SIG Libre 2013

logo_sigte2013

Decorreram no início de Março em Girona as 7as Jornadas SIG LIBRE. O e-GEO esteve presente com três comunicações. Ficam aqui os apontadores para os resumos e apresentações:

Rebelo, C. Rodrigues, A. M. Neves, B. Tenedório, J.A. Gonçalves, J.A. “Extraction of urban parameters from 3D Point-Cloud within GRASS”
(Resumo, Apresentação)

Rodrigues, A. M. Neves, B. Rebelo, C. “Terra Communis (tComm): A free data provider for historical census micro-data.”
(Resumo, Apresentação)

Neves, B. Rebelo, C. Rodrigues, A. M. “Modelling Sea-Level Rise in the Lisbon city coastal area, using Free and Open Source Technologies”
(Resumo, Apresentação)


3 Comments

Python vs. R (e o SPSS?)

Rbloggers

Um tema recorrente: que ferramenta utilizar para realizar análise de dados? Este artigo apareceu no R-bloggers e julgo ser bastante interessante: Python vs R vs SPSS … Can’t All Programmers Just Get Along?.

Pessoalmente, e porque é muito fácil apresentar desvantagens, os pontos fortes óbvios são:

Python: simples e facilmente implementado/transportado para várias plataformas;
R: É muito difícil encontrar um método estatístico não implementado em R;
SPSS: Confesso que só incluí o SPSS porque é referido no artigo original, mas creio que o facto de ser “menu driven” acolhe a simpatia de muitos (ainda que seja uma caixa negra).


Leave a comment

Scripts no SEXTANTE

Num post anterior, descrevia como aceder a API do SEXTANTE atraves da consola de Python do QGIS.

Neste post, vou avancar um pouco mais em termos de costumizacao e criar um script para o SEXTANTE. Atraves de scripting podemos:

  • aceder a todas as funcoes expostas pelo SEXTANTE (incluindo thrid-party providers como o R, ou o GRASS)
  • aceder as funcoes que nos acrescentamos ao SEXTANTE (incluindo modelos criados atraves do modeller, ou R scripts)
  • aceder a API do PYQT, ou do Python em geral para criar UI (entre outras coisas)
  • aceder a API do PYQGIS, acedendo a toda a funcionalidade do QGIS.

Reunindo todas estas funcionalidades pode construir-se uma aplicacao bastante poderosa, mas neste post eu vou me ficar por uma demonstracao simples: uma suite de analise exploratoria dos dados, que consiste em chamar tres dos scripts de R que criei anteriormente. Em termos de input/output, a aplicacao unifica a recepcao de parametros para os tres scripts e gera os resultados em ficheiros html, guardados no disco num local definido pelo utilizador.

Para seguir este tutorial nao sao necessarios grandes conhecimentos de Python; no entanto, se decidirem construir os vossos scripts, ja vai ser importante. Neste website podem encontrar sobre python para nao programadores (se souberem programacao, torna-se logo mais facil). Eu gosto deste em particular (from scratch!)

Continuar a ler